CPFL Soluções mira os empreendedores regionais

Imprimir   |   Enviar por e-mail

A Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL), um dos maiores grupos privados do setor elétrico brasileiro, apresentou para os empreendedores da região de Campinas, na última terça-feira, sua nova marca: CPFL Soluções. Em evento realizado no Royal Palm Hall, no Jardim Nova Califórnia, Fabiana Avellar, diretora de inteligência de mercado da empresa, explicou que a CPFL Soluções, lançada em 2018, reúne as atividades, anteriormente, subdivididas entre a CPFL Brasil, CPFL Serviços e CPFL Eficiência.

Segundo a executiva, o centenário Grupo CPFL, que atende aproximadamente 10 milhões de clientes presentes em 679 municípios, consumindo mais de 66,7 TWh/ano, pode oferecer solidez econômica, portfólio amplo, conhecimento e a capacidade de viabilizar projetos. O intuito é concentrar o atendimento em uma única equipe, capaz de diagnosticar as necessidades específicas de cada empresa, consequentemente provendo as melhores soluções. Fabiana explica que todos buscam economia, porém, o universo corporativo é infinitamente mais complexo, porque os problemas são distintos. “Em hospitais, por exemplo, o sistema elétrico não pode falhar”, enfatiza, reforçando que a companhia tem infraestrutura comprovada para assegurar segurança energética.

 

Proposta

Para contextualizar o momento do mercado e a prestação de serviço proposta pela companhia, Paulo Squariz, diretor comercial da CPFL Soluções, citou um pensamento de Peter Drucker, considerado o pai da administração moderna. De acordo com previsão feita pelo austríaco no século passado, a única habilidade relevante no século XXI seria a capacidade para aprender novas habilidades. Em sua concepção, todo o restante viria a se tornar obsoleto com o tempo. Squariz esclareceu ainda que a 4ª Revolução Industrial tende a acelerar a introdução de tecnologias disruptivas que irão empoderar os consumidores, permitindo modelos de negócios ora impossíveis.

Entre as tendências apontadas por ele, estão os veículos autônomos e a prototipagem desenvolvida através da robótica. Em sua palestra, Squariz ressaltou também que para se manter em um mercado extremamente competitivo e dinâmico, as grandes e médias corporações precisam atualizar e se possível inovar, seus modelos operacionais e o perfil da mão de obra contratada, além de acompanhar os dados de seus respectivos consumidores mantendo assim um atendimento satisfatório.



http://www.agemcamp.sp.gov.br/wp-content/plugins/wp-accessibility/toolbar/css/a11y-contrast.css