Prematuridade e seus riscos é tema de seminário

Imprimir   |   Enviar por e-mail

Principal causa de mortalidade infantil no mundo inteiro, a prematuridade — seus riscos e desafios no século XXI — é tema do seminário que a Casa da Criança Paralítica (CCP) realiza na próxima quarta-feira, no Royal Palm Plaza, em Campinas. O evento — voltado a profissionais e estudantes das áreas de reabilitação, como fisioterapia, terapia ocupacional, fonoaudiologia, pedagogia, psicologia, serviço social, nutrição, medicina e enfermagem — integra o Programa de Disseminação de Conhecimento da CCP, instituição referência no tratamento para reabilitação física infantil.
Crianças que nascem com tempo gestacional inferior a 37 semanas são consideradas prematuras. A prematuridade ocorre com mais frequência em filhos de adolescentes com menos de 17 anos de idade e de gestantes com mais de 35 anos, assim como de mulheres com gestações muito próximas e com abortamento prévio. O Brasil ocupa o 10º lugar na classificação mundial de número de casos de prematuridade. Do total de partos realizados, 12,4% são de prematuros — o dobro da incidência de prematuridade na Dinamarca, de 5,7%, por exemplo.
Os fatores de risco englobam o consumo de álcool, drogas, estresse, infecções urinárias e obesidade. É importante ainda que a gestante não se auto medique, em razão da possibilidade de má formação nas crianças. Além de evitar os fatores de risco, a gestante deve se exercitar regularmente, sempre com acompanhamento do médico obstetra.
Com o sistema respiratório ainda não desenvolvido, a criança pode ficar um período com falta de oxigenação do cérebro e desenvolver patologias do sistema nervoso central, explica Reginaldo Cesar de Campos, médico fisiatra e diretor técnico da CCP. As hemorragias são as patologias mais frequentes e podem atingir a parte cortical ou ocorrer dentro de ventrículos do cérebro, provocando distúrbios neurológicos. “Com isso, o desenvolvimento motor fica afetado e a criança não consegue segurar o pescoço, o tronco e ficar em pé. Além disso, ela não está madura para sugar ou deglutir, o que interfere gravemente em seu ganho de peso”, explica o médico. A sequela mais comum na prematuridade é a paralisia cerebral, uma desordem do desenvolvimento encefálico, levando ao comprometimento motor e/ou cognitivo.
Para evitar a prematuridade é fundamental o acompanhamento da gestação com o médico. Caso haja possibilidade — ou indicação — de um parto de prematuro, o médico recomendará à gestante um hospital com apoio de UTI neonatal. “É paradoxal que o aumento na incidência de cesáreas tenha relação direta com o número de prematuros nascidos vivos. Isso ocorre porque muitas das cesárias são realizadas antes do bebê estar a termo – ou antes da 37ª semana, por exemplo, por um erro de diagnóstico sobre a idade gestacional”, afirma o médico.
SERVIÇO
O quê: Seminário “Prematuridade – Riscos e Desafios do século XXI”
Quando: dia 13 de novembro (quarta-feira), das 8 às 18 horas
Onde: Royal Palm Plaza Resort – Salão Campinas (Acesso B) – Av. Royal Palm Plaza, nº227 – Jardim Nova Califórnia, Campinas – SP.


http://www.agemcamp.sp.gov.br/wp-content/plugins/wp-accessibility/toolbar/css/a11y-contrast.css