Diminuir o Tamanho da Letra Aumentar o Tamanho da Letra Dar Contraste / Retirar Contraste

Informativo Mensal: Mercado de Trabalho na Região Metropolitana de Campinas (Agosto/2018)

Destaques:

  1. Em julho de 2018 a RMC apresentou um saldo de 868 novos postos de trabalho, porém este saldo não foi suficiente para reverter a queda de 2.532 postos de trabalho observada em junho.
  2. No acumulado do ano, foram criados 8.717 novos postos, representando 6% de SP e 2% do saldo nacional
  3. Dentre os novos contratos de trabalho gerados na RMC, 5,5% são de contratos por prazo determinado ou contratos intermitentes.
  4. O salário médio dos admitidos na RMC foi de R$ 1.710,62. O salário dos admitidos com contrato intermitente equivale a 66% deste valor, enquanto os com contrato por prazo determinado equivale a 93%
  5. Por outro lado, o salário médio dos admitidos é 89% do valor do salário médio dos demitidos.
  6. Em média, os trabalhadores demitidos tinham mais de 2 anos de serviço (26,8 meses)
  7. Com saldos de 744 e 725 novos postos Campinas e Indaiatuba se destacaram na geração de emprego RMC. No entanto, em Paulínia e Santa Bárbara apresentaram os piores resultados: queda de 716 e 305, respectivamente.
  8. Por escolaridade, o saldo positivo de 1.177 profissionais com nível de ensino médio compensou a redução nas demais faixas.
  9. Por setor de atividade, os destaques positivos nas atividades de comércio e serviços: 585 e 656, respectivamente, compensaram o saldo negativo de 499 postos de trabalho construção civil.
  10. Nos serviços o maior destaque foi o segmento de alojamento e alimentação.
  1. Indicadores

Os dados sobre o fluxo de admitidos e demitidos, divulgados mensalmente pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) permitem identificar as características do mercado de trabalho. O foco deste Informativo é a Região Metropolitana de Campinas, porém antes de apresentar as características deste fluxo, é importante destacar que:

Com a geração de 868 novos postos de trabalho em julho de 2018, o volume total de emprego na RMC gerado em no ano de 2018 chegou a 8.717 novos postos de trabalho. Este volume representa 6% do total do saldo gerado no Estado de São Paulo e 2% do saldo nacional. Estes percentuais corroboram o dinamismo das atividades econômicas situadas na RMC.

Chama atenção também o fato de que 5,5% do fluxo de admitidos terem sido nas modalidades de contrato temporário e de contrato intermitente. Este volume de contratos, embora pequeno é preocupante, pois em média os salários médios dos contratados na modalidade intermitente é 66% o valor da média dos salários dos admitidos (1.710,62) e os parciais 96% deste valor.

Vale dizer que, este tipo de contrato reflete o momento extrema dificuldade vivida pela economia brasileira, marcado por profundas incertezas no campo político e por importantes mudanças na regulação do trabalho.

O fato dos demitidos apresentarem, em média, pouco mais de 2 anos de serviço, somado à constatação de que salários médios dos admitidos representam 87% do valor pago aos demitidos, reflete os efeitos desse ajuste de custos sobre o mercado de trabalho.

Por fim, a comparação dos saldos de emprego e dos salários médios dos contratados entre janeiro e julho de 2018 com o de 2017, confirmam o cenário de incertezas vividos pela economia, visto que não há nenhuma sazonalidade observada nos fluxos de emprego e na evolução salarial.

Boletim emprego 1

Boletim emprego 2

 Boletim emprego 3

Boletim emprego 4


2.Perfil do emprego segundo características selecionadas

Os indicadores mais gerais, apresentados no item anterior, serão complementados com informações quanto ao saldo de emprego e salário médio segundo características específicas. Tais informações permitirão visualizar mais detalhadamente como as estratégias de uso do trabalho alteram o perfil de mercado de trabalho formal na Região Metropolitana de Campinas.

Por município, observa-se que em julho, Campinas e Indaiatuba apresentam os melhores resultados na RMC: saldo positivo de 744 e 725 postos de trabalho, respectivamente.

Os maiores salários médios entre dos admitidos foram observados nos municípios de Jaguariúna e Hortolândia. No entanto, neste último município, o saldo negativo do emprego no mês de julho continuou a tendência observada em junho.

Paulínia e Santa Bárbara D’Oeste, apresentaram maiores saldos negativos de emprego: 716 e 305, respectivamente. Vale destacar que, no mês de junho, Santa Bárbara D’Oeste também apresentou uma saldo negativo de emprego

Por Escolaridade, chama atenção o saldo positivo de 1.177 postos para o nível médio. Este saldo mais do que mais que compensou a redução de 654 vagas no verificada no mês anterior. Porém, nesta faixa etária, o valor da remuneração média de R$ 1.481 fica abaixo da média de R$ 1,701 observada na RMC

Por Faixas de Idade, o saldo positivo foi concentrado na seleção de pessoas com idade entre 18 e 24 anos, com uma média salarial de R$ 1,378.

Por outro lado, na faixa etária de 50 a 64 ocorreu o pior saldo negativo: 850 postos. Este saldo negativo se soma ao saldo negativo de 893 postos no mês de junho.

Por setores de atividade, observou-se que o maior dinamismo na geração de emprego foi oferecido pelas atividades que compõem os setores de Comércio e de Serviços, em ambos setores o volume positivo do emprego gerado em julho compensou o saldo negativo observado em junho. Importante destacar que nestes dois setores os salários médios dos contratados ficaram abaixo da média da RMC.

Dentre os segmentos que compõem o setor de comércio, o saldo positivo do emprego foi observado tanto no atacadista como no varejista. Vale destacar que neste último dos salários médios dos contratados foi maior que o da média da RMC

Já entre os segmentos que compõem o setor de serviços, o comportamento do saldo de emprego acompanha o perfil mais heterogêneo dessas atividades. O maior saldo positivo da geração de emprego ocorreu nas atividades de alimentação, alojamento e manutenção, seguida das atividades de serviços de técnicos. Por outro lado, chama atenção o saldo negativo de 317 postos de trabalho nas atividades de comunicação e transportes. Do ponto de vista da remuneração, o segmento de alimentação, alojamento e manutenção apresentou salário médio dos contratados abaixo da média da RMC.

Dentre os segmentos industriais, o desempenho negativo da indústria têxtil e vestuário foi compensado pelos saldos positivos das indústrias mecânica, de transportes e química. Com relação à dinâmica industrial, observava-se que o comportamento relativamente estável do emprego no setor está muito distante de compensar a queda de 1.166 vagas ocorrida em junho.

Por fim, dentre os setores de atividade, o pior resultado de julho foi na construção civil: redução de 499 postos de trabalho.

Boletim emprego 5

Boletim emprego 6

Boletim emprego 7

Boletim emprego 8

Boletim emprego 9

Boletim emprego 10


Importante: Boletim elaborado pela Faculdade Ciências Econômicas da PUC Campinas, sob a Coordenação da Profa. Dra. Eliane Navarro Rosandiski, conforme estabelecido no 1º Termo Aditivo ao Convênio de Cooperação Técnica entre a Pontifícia Universidade Católica de Campinas e a Agência Metropolitana de Campinas (AGEMCAMP),Cláusula Quinta, Paragrafo 5.3, Processo AGEMCAMP nº 116/2010 de 20 de março de 2013.

 

 


 
©OMI - Observatório Metropolitano - Todos os direitos reservados 2010