Tecnologia impede perdas hídricas

Imprimir   |   Enviar por e-mail

As soluções tecnológicas estão mais presentes a cada dia no gerenciamento dos sistemas de água e esgoto. Na rede pública, as concessionárias modernizam o sistema de distribuição de água, por exemplo, garantindo performance eficiente da rede e identificando pontos onde ocorre a perda hídrica.

No caso do comércio ou da indústria, as perdas são contabilizadas remotamente, a partir da análise dos padrões diários de consumo. O administrador consegue identificar imediatamente ocorrências como vazamentos, bloqueio dos medidores, refluxo, consumo excessivo e queda excessiva de pressão na rede.

Se engana quem imagina que a tecnologia é acessível a grandes conglomerados públicos ou privados. Atualmente os condomínios residenciais também podem ser favorecidos, com a adoção de um sistema de medição individualizada, que se reflete em economia na conta de água. Incentivando o consumo mais consciente e responsável pelos moradores.

A Itron, com unidade em Americana, é uma empresa especializada no desenvolvimento das soluções inteligentes e recentemente participou, no Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), de um simpósio de palestras abertas a engenheiros e técnicos para a difusão do uso racional da energia elétrica e da água.

A telemedição foi apresentada aos profissionais como uma alternativa barata e precisa na gestão das redes e na medição individual nos condomínios. Aqui mesmo em Campinas, para se ter uma ideia, um condomínio conseguiu, depois de dois meses da solução implementada, reduzir pela metade as contas de água.

 

Demanda atual

A empresa, líder mundial em tecnologia e serviços, desenvolve os sistemas que, ao redor do mundo todo, controlam o consumo de eletricidade, gás, água e energia térmica. Emerson de Souza, vice-presidente de vendas para a América Latina, explica que as empresas concessionárias do serviço público de abastecimento admitem que precisam inovar, integrando fontes de energia renovável a tecnologias de infraestrutura. E esta, diz, também é uma exigência dos próprios consumidores.

“A principal motivação popular é economizar dinheiro. Por isso, as concessionárias precisam assumir hábitos e investimentos sustentáveis, que levem à redução das contas de água”, disse. “Pelo menos metade dos executivos do segmento, no mundo todo, acredita que seus serviços poderiam ser mais eficientes.”

Souza alerta que a população, de uma maneira geral, acha exagerado o preço pago pela água e pela energia elétrica. Três quartos dos clientes ainda acreditam que as contas são superfaturadas. A informação, presente em um relatório técnico da própria empresa, coloca em xeque a própria seriedade de serviços públicos essenciais.

“A hora é de agir. Consumidores e executivos engajados na causa querem um mundo mais sustentável, para viver em cidades inteligentes e fazer uso extensivo de fontes renováveis de energia. Eles querem comunidades mais seguras, menos dispendiosas e mais eficientes”, resume. Informações mais detalhadas sobre o trabalho da empresa: http://www.itron.com.

 

Sanasa adota procedimentos modernos contra desperdício

A Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanasa), companhia que trata do saneamento em Campinas, usa desde 2016 uma solução de pressão inteligente fornecida pela multinacional norte-americana, que ajuda a minimizar a quantidade de água perdida pela identificação e da redução de perdas físicas na rede de distribuição. A Águas de Matão, que abastece os lares de 27 mil moradores daquela cidade, recorre também a um software para análise e controle da medição de dados.

 



http://www.agemcamp.sp.gov.br/wp-content/plugins/wp-accessibility/toolbar/css/a11y-contrast.css