União financia revitalização de patrimônio público em Campinas

Imprimir   |   Enviar por e-mail

Recursos do Ministério do Turismo vão financiar um projeto para a identificação de monumentos históricos, em uma iniciativa que promete revitalizar o patrimônio público. O dinheiro vai ser usado, por exemplo, na adequação do obelisco previsto para ser construído na Praça Bento Quirino, local onde hoje uma simples sinalização na calçada identifica o Marco Zero da cidade. A ajuda financeira vem em boa hora e dá fôlego para a Prefeitura, que não consegue sequer manter a manutenção da praça, um símbolo de decadência e degradação. O vandalismo desvaloriza um espaço com enorme potencial turístico.

A Administração, efetivamente, busca parcerias na sociedade civil e ajuda de outras esferas de governo para implementar a recuperação e promover a valorização daquele e de outros pontos históricos da cidade. O cenário atual é deprimente. O monumento-túmulo de Carlos Gomes e a outra escultura – em homenagem ao cidadão ilustre que dá nome à praça – sempre estiveram na mira de arruaceiros. As luminárias históricas – símbolos de um passado elegante – estão arrebentadas. Apesar da ocupação com feira regular e bares, a Bento Quirino virou um reduto de insegurança, de sujeira, de desorganização. Nem sombra do que foi a praça requintada do passado, com árvores e canteiros.

 

QR-Code

O anúncio do obelisco, nesta semana, ao menos chegou como um alento para quem sonha com o Centro renovado. A diretora municipal de Turismo, Alexandra Caprioli anunciou à reportagem que a Prefeitura já tem dinheiro federal para a implantação de um sistema de informações turísticas em pontos tombados. Até agora são cerca de R$ 124 mil (US$ 31 mil), cedidos pelo ministério, que vão financiar placas de identificação e um programa digital com informações detalhadas de cada lugar.

O sistema de QR-Code vai permitir que o visitante tenha dados instantâneas sobre o espaço focalizado no celular. O Parque Taquaral e prédios de importância singular – como Catedral Metropolitana, Escola de Cadetes, Estação Cultura, Jockey, Mercadão, Torre do Castelo – serão detalhados pelo programa. No caso específico da Praça Bento Quirino, o projeto de revitalização conta com o engajamento da sociedade civil. Arquitetos, por exemplo, já trabalham na elaboração de propostas arquitetônicas do novo Marco Zero.

 

DPJ substituirá as luminárias arrebentadas

A direção do Departamento de Parques e Jardins (DPJ) explica que tem duas equipes trabalhando na manutenção das praças da região central, e que já começou a fazer a substituição de luminárias arrebentadas na Bento Quirino. Ainda assim, diante das queixas, a Prefeitura agenda ação emergencial na próxima semana, para recolher o lixo e fazer outras intervenções necessárias.



http://www.agemcamp.sp.gov.br/wp-content/plugins/wp-accessibility/toolbar/css/a11y-contrast.css