Unimed inaugura hospital próprio em Campinas

Imprimir   |   Enviar por e-mail

A Unimed Campinas anunciou ontem a abertura do primeiro hospital próprio da cooperativa na cidade. O Hospital Unimed Campinas fica na Vila Industrial, no prédio onde antigamente funcionava o Álvaro Ribeiro. O empreendimento recebeu investimentos de ao menos R$ 42 milhões (US$ 13 milhões) na ampliação do espaço, com remodelação de toda a estrutura. A unidade terá 88 leitos, sendo 20 de UTI, com centro cirúrgico, radiologia, laboratório, endoscopia e ambulatório.

O funcionamento está previsto para início de janeiro, mas a abertura depende de uma visita com parecer da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), marcada para a primeira quinzena do mês que vem. “O hospital é fundamental na nossa estratégia de atendimento. Fundamental pelo aumento de qualidade e também para que possamos oferecer aos nossos clientes um tratamento integrado que hoje ainda não existe”, disse o presidente da Unimed Campinas, José Windsor Ângelo Rosa.

A unidade é focada no atendimento eletivo ou agendado, de assistência domiciliar (Aduc) e de pacientes que fazem tratamento de câncer no Centro de Quimioterapia Ambulatorial (CQA). Só a Aduc conta com 1.250 pacientes, sendo que 100 estão internados em casa – com acompanhamento de enfermagem 24 horas -, sendo que 45 necessitam de respiração mecânica. O atendimento será exclusivamente para adultos e sem pronto-socorro. Segundo Rosa, o hospital servirá de modelo para o atendimento em toda rede privada, que compreende em torno de mil leitos.

Dos 88 leitos anunciados, dez serão cirúrgicos. O Centro Cirúrgico contará com três salas equipadas com aparelhos da empresa alemã Drager, que fechou contrato exclusivo com a unidade. “Todas as salas possuem fluxo de lâmina, que é um sistema de ventilação que possibilita que o ar vá para cima, para não haver contaminação no paciente. Temos ainda uma sala com intensificador de imagens, que faz com que as cirurgias sejam realizadas com menos agressividade”, disse o diretor hospitalar, Gerson Muraro Laurito.

O centro cirúrgico local está apto a receber cerca de 90% das cirurgias gerais que são realizadas nos hospitais particulares da cidade. “Será ainda um hospital para fazer a integração digital com os nossos pacientes. Ele foi concebido para ser um hospital que dê uma retaguarda para o serviço de atendimento domiciliar e o serviço de quimioterapia”, disse.



http://www.agemcamp.sp.gov.br/wp-content/plugins/wp-accessibility/toolbar/css/a11y-contrast.css